‹script id="0800Eugenio" data-keyword="#singulari_consultoria_eugenio_singulari_teste" src="https://s3-sa-east-1.amazonaws.com/0800eugenio/widget/widget.js"› ‹/script›
top of page

Meus 8 anos de Singu 🤩

Por Suelen Scop


Nesse mês eu completei 8 anos de Singulari e vou falar uma coisa para vocês: que felicidade essa jornada, olha!

Quanto aprendizado, quanta troca – de conhecimento, experiências, momentos e vivências –, e quantos desafios! Alguns desafios foram mais fáceis, outros mais difíceis, alguns agradáveis, outros nem tanto, mas tudo faz parte da trajetória e do crescimento.

Andei refletindo um pouco sobre esses 8 anos e resolvi escrever 8 lições que tirei até aqui. Vou compartilhar com vocês:


1 - Pergunte, grite e peça ajuda






Essa é a minha a primeira lição porque é uma das mais antigas lembranças que tenho da Singulari.

Para explicar, eu sempre me senti muito responsável pelas atividades com as quais me envolvo e tenho muita dificuldade de dizer “não” para as pessoas, então as vezes acabava ficando cheia de atividades e não falava nem pedia ajuda. O resultado? Meus primeiros feedbacks do time sempre vinham com um “Su, você tem que pedir ajuda quando estiver precisando” – né Lu, Soninha e Beca?

Então a dica é: sempre compartilhe as atividades, peça ajuda quando a demanda estiver grande. Além de fluir as atividades, a troca pode enriquecer ainda mais o trabalho que estiver sendo realizado.


2 – A riqueza da diversidade de perfis


Aqui na Singulari a gente usa uma ferramenta de identificação de perfil chamada MBTI (aliás, muitos que nos acompanham já devem ter ouvido falar ou até mesmo já ter feito o MBTI com a gente).

Bom, o MBTI nos ajuda a entender algumas diferenças entre as pessoas. Apesar de não termos um time muito grande, temos perfis diversos, e entender isso nos ajuda demais no dia a dia!

Compreender as preferências de cada uma orienta a nossa tomada de decisão na hora de dividir as responsabilidades de um projeto novo, por exemplo.

Portanto, não busque trabalhar sempre com pessoas muito parecidas com você, veja as oportunidades que poderá ter se estiver trabalhando com perfis diferentes.


3 – Fit cultural é importante mesmo




Sabe o tal do fit cultural que temos visto bastante por aí quando falamos de gestão de pessoas? É importante mesmo!

Esse alinhamento de valores é fundamental para nos sentirmos a vontade no local de trabalho e conseguirmos evoluir dentro da empresa.

Falo isso não só por causa dos processos seletivos que realizamos para os nossos clientes, mas pela minha própria experiência também. Um dos motivos de me sentir tão bem na Singulari é porque sei que compartilhamos valores.

4 – Não precisa ter medo de errar, a gente aprende com o erro




Errar faz parte do processo e vai acontecer em algum momento, não tem muito para onde fugir. A forma como lidamos com o erro que é a chave. Precisamos entender que o aprendizado vem daí também.

Além disso, como diz a Beca: erre, mas erre rápido e busque solução. Não adianta ficarmos presos ao processo que deu errado. Vamos ver o que pode ser feito e trabalhar nisso.


5 – Aumente seu repertório, estude além da sua área de formação

Falando em valores, um dos nossos é desenvolvimento contínuo. E isso engloba conhecimento amplo, não somente na nossa área de formação. Aliás, o incentivo aqui para quem quer fazer pós-graduação é: escolha um curso que não esteja completamente relacionado a sua graduação. Seja um profissional T (temos post sobre isso aqui).

6 – Busque e compartilhe conhecimento, por qualquer que seja o meio

Deu para ver que conhecimento é uma lição forte por aqui né?

Um ponto importante é: a forma como as pessoas adquirem conhecimento pode ser diversa. E como compartilham também.

Não precisa ser algo muito estruturado nem formal. Aliás, conhecimento vai muito além de formação acadêmica. Pode ser adquirido e compartilhado através de uma leitura de livro, de uma troca de informações numa reunião, de uma ida a um evento etc.

A ideia é que seja algo contínuo, independente da forma que for feito.


7 – Se desafie, se jogue para fora da zona de conforto




Não é fácil e digo isso por experiência própria. Mas vale a pena! A gente aprende e cresce muito mais quando saímos da nossa zona de conforto.

Está certo que algumas vezes eu não saí, fui empurrada (😂). Mas também faz parte do processo. Entre 2016 e 2017 eu repeti internamente tantas vezes a frase “se der medo vai com medo mesmo” que perdi as contas.


8 – Celebre suas conquistas!



Eu sempre gostei de celebrar as conquistas, mas depois que entrei na Singu isso se fortaleceu ainda mais. Aqui temos sempre um champanhe guardado no armário aguardando para ser estourado.

Ok, pode ser uma celebração mais simples, com um cocão compartilhado entre o time por exemplo. O importante é que as vitórias sejam comemoradas.

Comments


Posts Recentes
bottom of page