‹script id="0800Eugenio" data-keyword="#singulari_consultoria_eugenio_singulari_teste" src="https://s3-sa-east-1.amazonaws.com/0800eugenio/widget/widget.js"› ‹/script›
top of page

Confiança: elo entre liderança e equipe

A confiança é a base das relações interpessoais em todos os contextos da nossa vida e acredito que seja uma das principais características para uma boa liderança e para um bom trabalho em equipe.


Recentemente estava lendo o livro Great Leader to Work, de Cauê Oliveira, e ele destaca a confiança como chave para 3 coisas importantes: comunicação, integração e agilidade.


Nos exemplos do livro ele fala como nos sentimos confortáveis com familiares e amigos próximos e falamos honestamente com eles porque são pessoas em quem confiamos. Ou seja, a confiança é a base para uma comunicação clara e transparente. Além disso, quando confiamos, nos importamos com aquela pessoa e por isso ouvimos mais também.


Quantas vezes as pessoas não são sinceras sobre como estão se sentindo no ambiente de trabalho, por exemplo, por falta de confiança? Por isso ela é tão importante para uma boa liderança.


Outro exemplo do livro é sobre a agilidade que é gerada com base na confiança em ambas as direções, da liderança para o time e do time para a liderança. Quando a equipe confia, faz o que é necessário. Quando o líder confia, descentraliza e delega.


Por isso a confiança é a base para uma cultura colaborativa e ágil. Para termos menos controle, é necessário menos comando e mais autonomia, que vem através da confiança. E isso têm se falado bastante nesses últimos tempos, onde a transformação digital está acelerada e culturas de colaboração e inovação vêm ganhando mais espaço.

Só que construir confiança não é fácil.


(Vou colocar um parêntese importante aqui: vocês perceberam como usamos normalmente o verbo construir quando falamos de confiança?)


A confiança vai sendo construída conforme vamos fortalecendo os relacionamentos.

No mesmo livro que citei antes ele faz um comparativo muito legal: a confiança é como um reservatório de água com entrada e saída. Existem atitudes que abastecem o reservatório, que vão o enchendo de água, e outras que fazem a saída abrir e vão o esvaziando.


O nosso desafio para a construção de uma relação de confiança é reabastecer esse reservatório. É ter mais atitudes que o encha do que atitudes que o esvazie, o que eventualmente vai acontecer.


E isso está muito ligado a um ponto que sempre é falado quando discutimos liderança, que é a liderança pelo exemplo. São as atitudes do líder. Essas atitudes que as pessoas vão olhar e que vão fazer reabastecer o reservatório. São atitudes que inspiram e que fortalecem as relações de trabalho.


Fazendo um outro paralelo, esses dias eu assisti a série WeCrashed, que conta a história do WeWork, e acho que ela tem várias reflexões sobre ambiente de trabalho, empreendedorismo, gerações, dentre outras coisas, mas também sobre confiança.


Conseguimos ver essa confiança ser construída entre os personagens logo no início quando a empresa está sendo fundada e destruída ao final da série. Tenho minhas várias críticas à liderança do personagem principal, mas não pude deixar de perceber como a confiança que ele transmitia para a equipe fez com que as pessoas trabalhassem lá, se empenhassem e acreditassem nele.


Mas como disse antes, o reservatório da confiança tem entrada e saída. Assim como ele conseguiu que as pessoas confiassem nele, suas atitudes fizeram com que essas mesmas pessoas passassem a não acreditar mais nele.

Definitivamente a confiança é construída através de atitudes.


Portanto, vale a reflexão:

que atitudes você está tendo no dia a dia que vão encher o reservatório das pessoas da sua equipe? O que está fazendo para elevar o nível de confiança entre o time? Como você demonstra confiança?

Comments


Posts Recentes
bottom of page